O Gato.

Depois de anos de pura indiferença e desprezo por (quase) todos, mudanças inesperadas no contexto doméstico levou o Gato a procurar pela atenção generalizada dos seres humanos que o rodeiam, sem grandes exigências ou sem fazer distinção. Se antes éramos nós que corríamos atrás do Gato, agora ele passou a miar em esquinas e corredores, desconsolado.

Na primeira vez em que ele apareceu aqui, meu avô disse com todas as letras que não se responsabilizaria pelo bichano. Mas como sempre aconteceu com todos bichos que aqui moraram, ele cedeu e passou a cuidar do animal com afinco. Meu avô nunca soube amar com medidas ou economias, estragou o Gato tanto quanto estragou a mim. Assim, o Gato aprendeu a comer sempre com companhia, a ter sessões diárias de carícias infinitas e enfim, a portar-se como o dono de tudo. Absolutamente tudo.

A hospitalização repentina daquele que o nutria e o acariciava dia após dia revelou então um lado do Gato que não conhecíamos. Carente e afável, necessitado dos cuidados aos quais fora acostumado, ele passou a nos enxergar. Mas o troco pelo seu comportamento anterior veio rápido. Com preocupações maiores ocupando a todos, dessa vez foi o Gato que acabou praticamente ignorado. Emagreceu, ficou muxoxo.

Para administrar a situação, eu resolvi me incumbir pessoalmente do Gato até que o posto seja retomado por aquele que o ocupava originalmente. A ideia deu certo e não demorou, o Gato se vendeu.

Mas apesar de seu aparente afeto, não me iludo: sei que se trata de uma relação passageira movida por interesses. Funciona assim: ele finge que é meu, eu finjo que acredito. Em troca ele tem tudo o que quer e eu ganhei uma companhia silenciosa.

Pois acontece que a necessidade faz o homem, mas também faz o gato.

Anúncios

Um comentário em “O Gato.

  1. aqui não mora O Gato, mas um Gato também, e ele certamente sabe que eu sou dele. não demora muito pra que ele deixe que eu faça cerca de 2 segundos de carinho – nele, é claro -, o suficiente pra que eu achei que ele me ama. tudo mentira, eu bem senti. o Gato daqui tem plena consciência de que a gente sempre volta à noite pra ele. já ele, à noite, ninguém sabe.

    (amei aqui. amei!)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s